Recital de canto e piano tem como tema a atemporalidade do amor | Universidade Feevale

Recital de canto e piano tem como tema a atemporalidade do amor

Evento gratuito, organizado pelos mestrados e doutorados da Universidade Feevale, acontece nesta sexta-feira, 8 de dezembro, no Museu de Arte Scheffel

A Universidade Feevale realiza, nesta sexta-feira, 8 de dezembro, o recital de canto e piano Atemporalidade do amor. Coordenado pelas professoras Juracy Assmann Saraiva e Denise Blanco Sant’Anna, o evento, gratuito e aberto aos mestrandos e doutorandos da Instituição e à comunidade, acontece no auditório Adão Adolfo Schmitt do Museu de Arte Fundação Ernesto Frederico Scheffel (Rua General Daltro Filho, 911), em Novo Hamburgo, às 20h. A promoção e a organização da atividade são dos programas de pós-graduação em Processos e Manifestações Culturais e em Diversidade Cultural e Inclusão Social e do mestrado em Letras da Feevale.

O recital concentra em seu título – Atemporalidade do amor –  o tema que o orienta. O evento terá como intérpretes a soprano Ana Claudia Specht e a pianista Elda Pires. O sentimento amoroso perpassa as canções a serem apresentadas, que remetem a três momentos distintos: o primeiro privilegia composições que eram apreciadas na cidade do Rio de Janeiro na segunda metade do século XIX, contemplando os compositores Carlos Gomes, Chiquinha Gonzaga, Wolfgang Amadeus Mozart e Robert Schumann; o segundo momento traz canções no estilo modinha, que encantavam os apreciadores de música do início do século XX, período representado por Heitor Villa-Lobos, Oscar Lorenzo Fernandez e Jaime Ovalle. Para encerrar o recital, canções de Ronaldo Miranda e Claudio Santoro expressam o amor na contemporaneidade. 

PROGRAMAÇÃO

A execução musical será comentada e contextualizada pelas professoras Juracy Assmann Saraiva e Denise Blanco Sant’Anna

ABERTURA 

An die Entfernte – Ernesto Frederico Scheffel (1927 - 2015) – Poema: Johann Wolfgang von Goethe (1749 - 1832) 

NOS SALÕES DO SÉCULO XIX

Frühlingsnacht – Robert Schumann (1810 - 1856)
Porgi amor – Wolfgang Amadeus Mozart (1756 - 1791)
Quem sabe? – Antônio Carlos Gomes (1836 - 1896); Letra: Fancisco Leite de Bittencourt Sampaio (1834 - 1895)
Lua branca – Francisca Gonzaga (1847- 1935)

NAS RUAS DO SÉCULO XX 

Modinha – Jayme Ovalle (1894 - 1955) - Letra: Manuel Bandeira (1886 – 1968)
Dentro da noite – Lorenzo Fernândez (1897- 1948); Poema: Osório Hermogênio Dutra (1889 -1968)
Modinha – Heitor Villa-Lobos (1887 – 1959); Poema: Manducá Piá 
Canção do poeta do século XVIII – Heitor Villa-Lobos (1887 – 1959) - Poema: Alfredo Ferreira (1865 -1942)

NOS ESPAÇOS MÚLTIPLOS DA CONTEMPORANEIDADE  

Acalanto da rosa – Cláudio Santoro (1919 – 1989)
Noite e dia – Ronaldo Miranda (1948)
Cantares - Ronaldo Miranda (1948)